Indaiatuba adere à Campanha Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica

Iniciativa no município tem a participação da maioria das farmácias e os apoios do programa Caminho das Rosas e da OAB

Por Patrícia Lisboa

As principais redes de farmácias que têm unidades instaladas em Indaiatuba aderiram à Campanha Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A campanha incentiva as vítimas a denunciarem agressões nas farmácias. Para tanto, basta mostrar um X vermelho na palma da mão ao atendente do estabelecimento.

A iniciativa no município também tem os apoios do programa Caminho das Rosas, da Prefeitura, e da subseção local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

As redes de farmácias procuradas pelo Blog da Pimenta, em Indaiatuba, informaram que os atendentes e farmacêuticos já receberam o treinamento para fazer o atendimento, de acordo com a Campanha Sinal Vermelho.

Principais redes de farmácias com unidades em Indaiatuba aderem à campanha Sinal Vermelho (Foto: Patrícia Lisboa/Blog da Pimenta)

Quando a pessoa mostra um X vermelho na palma da mão, de forma silenciosa, o atendente da farmácia já compreende tratar-se de uma denúncia de violência doméstica e faz o encaminhamento da vítima para a Polícia Militar ou para a Guarda Civil.

Nos estabelecimentos entrevistados, até ontem (6/7), não havia caso registrado.

Em Indaiatuba, há o programa Caminho das Rosas, da Prefeitura, que faz o acolhimento das vítimas de violência doméstica. Por meio dele, a Guarda Civil também está capacitada para atender essa demanda e pode ser acionada pelo telefone 153, que funciona 24 horas. O telefone da Polícia Militar é 190, também 24 horas.

Segundo a Prefeitura, de 1º de janeiro até o último dia 7 de julho, foram registrados 167 casos de violência doméstica, em Indaiatuba, sendo 30 em flagrante. O número representa um aumento de 49,1% em relação ao mesmo período do ano passado, quando ocorreram 112 casos e, destes, 31 em flagrante.

CAMINHO DAS ROSAS

A Prefeitura informou que apoia a Campanha Sinal Vermelho, por meio do Programa de Prevenção à Violência contra a Mulher – Caminho das Rosas, que consiste em uma rede de atenção, para que mulheres em situação de risco ou violência consumada possam ser acolhidas de forma humanizada e orientadas sobre como proceder. O trabalho envolve diversas secretarias municipais.

“Essa campanha é mais uma iniciativa para auxiliar mulheres em situação de violência e todas as formas e possibilidades de utilizar a rede pública e os setores privados para pedir socorro são bem-vindas, especialmente em um momento de isolamento social, como este da pandemia que estamos vivendo. Pois, somente com a participação e envolvimento de diversos setores vamos conseguir proteger, acolher e garantir o direito da mulher que é vítima da violência doméstica”, comentou a diretora da Secretaria Municipal de Assistência Social, Viviane Barnabé.

“A Secretaria Municipal de Saúde é um dos eixos estruturantes da Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres e apoia a Campanha Sinal Vermelho, colocando-se à disposição para desenvolver ações em parceria”, acrescentou a diretora médica da Pasta, Heloísa Carla Salatino.

A primeira-dama e secretária municipal de Cultura, Tânia Castanho, é a idealizadora do programa Caminho das Rosas, que foi lançado em 2018, e também manifesta apoio à Campanha Sinal Vermelho. “Toda e qualquer ferramenta criada no intuito de auxiliar o combate à violência contra a mulher é bem-vinda. A mulher precisa sentir-se acolhida e saber que diversos estabelecimentos estão prontos para ajudá-la em uma situação de risco. Em breve, devemos ampliar esse leque de opções para não ficarmos apenas com as farmácias como parceiras nessa iniciativa. O Programa de Prevenção à Violência Contra a Mulher – Caminho das Rosas surgiu neste sentido, de oferecer às mulheres acolhimento e orientação e temos obtido bons resultados nos últimos anos, com o apoio de todas as secretarias municipais e da Guarda Civil”, afirmou a primeira-dama.

OAB INDAIATUBA

A campanha também tem o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Indaiatuba. “Com a pandemia (de covid-19) e o isolamento social, o número de casos de violência doméstica aumentou muito no mundo todo porque a vítima se viu confinada junto com o agressor”, afirma a presidente da entidade, Viviane Matavelli.

“Muitas vezes, a vítima não consegue mexer no celular ou no computador, para pedir ajuda. Então, fazendo o sinal do X vermelho, na palma da mão, com caneta ou batom, quando for a uma farmácia, ela mostra para o atendente, que está capacitado a fazer o atendimento. Essa também é uma forma da vítima chamar a atenção (para a situação que está vivendo) numa videochamada com a família ou amigos”, explicou Viviane. “A OAB está abraçando esta causa para que as vítimas tenham uma forma de pedir socorro, de maneira silenciosa”, concluiu a presidente da OAB Indaiatuba.

POVO FALA

A auxiliar administrativo Rafaela Fedrizzi, de 24 anos, disse ao Blog da Pimenta que acha boa a ideia da Campanha Sinal Vermelho, mas entende que é preciso maior divulgação para que as vítimas de agressões tenham conhecimento dela e façam uso dessa nova forma de pedir socorro.

Nas fotos abaixo, representantes da OAB Indaiatuba e da Guarda Civil, que apoiam a Campanha Sinal Vermelho (Fotos: Divulgação)