Fundo Social lança portal para mulheres em vulnerabilidade

SOS Mulher também reúne informações sobre segurança, saúde e independência financeira

O Fundo Social de São Paulo lançou nesta quarta-feira (7) a plataforma virtual SOS Mulher, que disponibiliza informações sobre segurança, saúde e independência financeira para mulheres em situação de vulnerabilidade. Para ter acesso à plataforma, basta acessar www.sosmulher.sp.gov.br.

O portal na internet é uma ampliação do projeto iniciado em março pelo Governo do Estado, com o lançamento do aplicativo de mesmo nome. O SOS Mulher permite que as vítimas de violência doméstica peçam ajuda à Polícia Militar apertando apenas um botão do celular por cinco segundos.

A ferramenta é válida para mulheres que tenham alguma medida protetiva (como ordem de afastamento), determinada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

A partir de agora, além do aplicativo, a plataforma vai trazer orientações para que as mulheres saibam reconhecer, evitar e combater as principais formas de violência listadas na Lei Maria da Penha: física, psicológica, sexual, moral e patrimonial.

“Além de tutoriais gravados por especialistas, essa plataforma unifica todos os serviços relacionados à mulher oferecidos pelo Estado”, explica o Presidente Executivo do Fundo Social, Filipe Sabará.

Para a Primeira-Dama e Presidente do Conselho do Fundo Social, Bia Doria, a plataforma chega para estimular a autonomia feminina: “Precisamos mudar essa cultura de violência contra as mulheres e ensinar a todos a respeitarem e entenderem que não somos sexo frágil”, afirma.

A curadoria da plataforma foi feita em parceria com a empresária Fabi Saad, autora do “Mulheres Positivas”, que por meio de um termo de doação disponibilizou seu trabalho gratuitamente ao projeto do Fundo Social de São Paulo.

 

COMO FUNCIONA

O SOS Mulher será atualizado diariamente com vídeos informativos de aproximadamente um minuto. Além de assistir, há a possibilidade de compartilhar o conteúdo via redes sociais e aplicativos de mensagens.

 

ESPECIALISTAS

Os vídeos disponibilizados na plataforma foram produzidos e gravados por diversas especialistas, como delegadas, promotoras, juízas, médicas, psicólogas e economistas, entre outras, que participaram do projeto de forma voluntária.

 

APP SOS MULHER

Com 11.659 downloads ativos até o momento e 1.955 usuários cadastrados, o aplicativo já possibilitou, por meio do Centro de Operações da Polícia Militar, 181 atendimentos às vítimas.

Para usar o aplicativo, é preciso baixar a ferramenta por meio das lojas virtuais Google Play e App Store. Depois, é necessário a realização de um cadastro com os dados pessoais para que as informações possam ser checadas junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo, que fornece as informações do banco de dados das medidas protetivas. Após a confirmação positiva da ferramenta, o serviço poderá ser utilizado.